Saiba o que fabricantes de trens querem do próximo presidente já em 2019  

02/10/2018 - Com 75% de ociosidade na planta industrial e sem pedidos novos para a fabricação de vagões de passageiros em 2019, as empresas que atuam no setor ferroviário entregaram aos presidenciáveis um plano de melhorias e investimentos para os próximos anos no país.

A ideia da Abifer (Associação Brasileira da Indústria Ferroviária) com o chamado Plano 1.000 é convencer o futuro presidente a propiciar investimentos no setor. A tarefa não deverá ser simples, já que, em regra, os candidatos à Presidência da República esqueceram ou citaram superficialmente o setor ferroviário em suas propostas de governo.

Com capacidade instalada para a produção de 1.200 carros de passageiros por ano, a associação projeta um pacote que considera essencial para a mobilidade no país e, emergencialmente, pede a compra ou modernização de 1.091 vagões para metrô de São Paulo e CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). São 465 novos carros e 626 modernizações.

Fundada há 41 anos, a entidade reúne fabricantes de locomotivas diesel-elétricas, vagões de carga, veículos rodoferroviários, metrô, VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos) e monotrilhos, entre outros.

O plano prega como ações a serem tomadas no curto prazo a viabilização da licitação do Trem Intercidades, ligando São Paulo a cidades do interior, como Americana e Sorocaba, e apoio na renovação de frotas, sem impostos, em metrôs como os de Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

Para médio e longo prazos, as ações incluem a retomada de projetos do PAC Mobilidade, a disponibilização de recursos federais para a implantação de trens regionais de média velocidade -ligando locais como Brasília a Goiânia, Londrina a Maringá, Caxias do Sul a Bento Gonçalves e Codó a Teresina- e VLTs em macrometrópoles (Goiânia, Brasília, Natal e Maceió).

"Fizemos o plano e mandamos para todos os candidatos à presidência e ao governo de São Paulo. Falamos que estamos preocupados com a indústria, pois as encomendas para o ano que vem estão zeradas", disse Vicente Abate, presidente da Abifer.


Ociosidade

Apesar da capacidade instalada de 1.200 unidades por ano, o setor nunca chegou perto de alcançar 50% dela no país.

O recorde de produção pertence a 2016, ano em que foram fabricados 473 carros de passageiros. No ano seguinte, foram 312 e, neste ano, a previsão é concluir 298 unidades. Para 2019, não há nenhum pedido novo até agora, apenas encomendas prévias para serem entregues.

Os empregos acompanharam a queda na produção: dos 10 mil existentes no ano passado, o quadro foi reduzido para 5.000 neste ano e deve cair pela metade no ano que vem.

"O pensamento é, em caráter emergencial, modernizarmos o já existente, com o Plano 1.000. Eles seriam feitos num espaço pequeno nos próximos anos. Mas todas essas medidas precisam ser tomadas", disse Abate.

Marcelo Toledo
Fonte: Folha de S. Paulo
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Imprimir