Carga nacional de energia cresce 4,9% em maio, diz ONS  

26/06/2019 - A carga de energia no Sistema Interligado Nacional (ONS) apresentou variação positiva de 4,9% em maio na comparação com igual mês do ano anterior, informou o Operador Nacional do Sistema (ONS) nesta terça-feira, 26 de junho. A carga de maio somou 66.985 MW médios.

Com relação ao mês de abril/19, verificou-se uma variação negativa de 2,5%. No acumulado dos últimos 12 meses, a carga do SIN apresentou uma variação positiva de 2,4% em relação ao mesmo período anterior.

No entanto, o desempenho da carga pode ser explicado pelo número de dias úteis no mês, a ocorrência de temperaturas atípicas, a greve dos caminhoneiros ocorrida no mesmo mês do ano anterior e o início do processo gradual de retomada do consumo de uma unidade do mercado livre no subsistema Norte.

Segundo o ONS, a carga de maio de 2019 foi afetada pelo -fraco resultado da atividade econômica, com suas repercussões sobre o mercado de trabalho, que desde o final de 2018 acusa perda de dinamismo, bem como os conflitos políticos, tem repercutido negativamente sobre a confiança, tanto do setor empresarial como dos consumidores.-

Desde março observou-se perda de confiança generalizada dos indicadores de confiança de empresários e consumidores. A forte elevação da incerteza sobre o futuro da economia é uma das razões para essa piora nas expectativas.

O resultado da carga ajustada, com variação positiva de 3,3%, sinaliza que os fatores fortuitos (temperaturas superiores às observadas neste mesmo período de anos anteriores e efeito calendário) contribuíram positivamente com 1,6% na variação da carga do Sudeste/Centro-Oeste em maio/19.


Subsistemas

A carga do submercado Sudeste/Centro-Oeste alcançou 38.086 MW médios, crescimento de 4,7%; no Sul, 11.198 MW médios, variação positiva de 4,3%; no Nordeste houve crescimento de 5,6%, para 11.092 MW médios; A carga no Norte cresceu 6,2%, para 5.606 MW médios.

25/06/19
Fonte: CanalEnergia
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Imprimir