Quinta-feira, 19 de abril de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
O jogo está aberto  

13/02/2017 - O mercado de açúcar encerrou a sexta-feira com o vencimento março de 2017 cotado a 20.42 centavos de dólar por libra-peso, uma queda significativa de 69 pontos na semana, ou 15 dólares por tonelada. O mercado tentou por várias vezes quebrar os 21 centavos de dólar por libra-peso mas falhou em se manter acima daquele nível por mais tempo.

Qualquer mudança de patamar vai depender de fortes alterações na percepção dos fundamentos. Fevereiro, como dissemos anteriormente, os preços em centavos de dólar por libra-peso tendem a ser ligeiramente melhores do que o preço de janeiro. Isso, no modelo que distribuímos aos clientes, representa uma variação de pouco menos de 1.5% em relação ao preço médio de janeiro que foi de 20.54 centavos de dólar por libra-peso. Assim, fevereiro chegaria ao preço médio de 20.82 centavos de dólar por libra-peso. Até esta sexta-feira foi de 20.78 centavos de dólar por libra-peso. Ou seja, pelo modelo, apesar de suas limitações, o mercado está pesado.

Com petróleo sem forças para ir além dos 55 dólares por barril e o real se fortalecendo em relação ao dólar, para aqueles que pensam em reais por tonelada fica um gosto de fel na boca pelo arrependimento de ter deixado passar várias oportunidades de fixação de preço em valores que hoje estão 250-300 reais por tonelada abaixo dos níveis mais altos registrados.

A perspectiva de preços melhores para o açúcar em centavos de dólar por libra-peso deve levar muitas usinas a priorizarem a exportação do produto deixando o mercado interno em segundo plano, ou mesmo abandonando-o. Esse comportamento, possível para as empresas que pensam em dólares por tonelada, pode abrir espaço para um desequilíbrio de preços.

Todos sabemos da forte correlação que existe entre os dois mercados, mas a corrida que se percebe para os contratos de açúcar para exportação ao longo desta próxima safra pode deixar alguns consumidores industriais a ver navios. Se todos querem ou preferem priorizar a exportação porque entendem que nesse segmento existe a maior rentabilidade, é factível que um descolamento de preços entre os dois mercados possa a vir ocorrer.

Por outro lado, o preço da gasolina no mercado internacional está mais baixo do que o preço praticado pela Petrobrás. Real forte e petróleo fraco deixam o açúcar mais vulnerável pois diminuem a rentabilidade do etanol. Ou seja, mais açúcar pode ser produzido.

O jogo está aberto. Existem variáveis que podem trazer mais volatilidade ao mercado, que se dissipam quando os fundamentos estiverem mais claros e existem, da mesma forma, outros componentes exógenos que podem provocar variações de maior magnitude. Traduzindo para o português, não sei se o fato de ter participado durante toda a semana de um seminário de risco, aqui em NY, comandado por Nassim Taleb acabou por me fazer ver cisnes negros em todos os lugares. Brincadeiras à parte, não aprecio mercados que ficam restritos a um intervalo de preços durante muito tempo.

Nos últimos três meses, NY ficou entre 21,90 e 17,84 centavos de dólar por libra-peso, com a média de 19,92 centavos de dólar por libra-peso. Para onde apontam os próximos 200 pontos? 22,42 ou 18,42? Os fundamentos e a paciência dos fundos vão nos mostrar o caminho.

Nos últimos dezessete anos, em apenas cinco oportunidades o preço médio negociado em maio foi maior do que o preço médio negociado em fevereiro do mesmo ano. Na maioria das vezes, portanto, o preço médio de maio caiu 16% do preço observado em fevereiro.

Muitos traders estão em Dubai. As conversas lá costumam ter um viés baixista por razões óbvias. Nos últimos anos, no entanto, não se sentiu nenhuma mudança na trajetória de preços após a conferência.

* Artigo originalmente publicado no portal Archer Consulting. Comentário semanal de 06/02/17 à 10/02/17.

Arnaldo Luiz Corrêa
Diretor da Archer Consulting
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
19/04/18 - Produção de açúcar no centro-sul do Brasil deve cair 17% em 18/19, prevê Job
  - Etanol: Safra 2017/18 de cana-de-açúcar em SP terminou com preços reais menores
  - Grupo USJ impulsiona etanol de milho em 2018/19, mas preço do cereal preocupa
  - Senado media mudanças na cota de exportação de açúcar para os EUA
  - Milho/USDA: EUA vendem 1,091 mi de toneladas da safra 2017/18 na semana
  - Colheita de soja alcança 39,6% da área apta na Argentina, diz Bolsa de Buenos Aires
  - Milho: EUA: Registros semanais de exportação atingem 1,2 milhão de toneladas
  - Condições são favoráveis ao trabalho de colheita da cana
  - Soja: EUA: Registros semanais de exportação atingem 2,1 milhões de toneladas
  - Colhedora de mudas da cana-de-açúcar é uma alternativa menos agressiva as gemas e aumenta o índice
  de germinação
  - Bovespa tenta se manter em alta; BRF volta a disparar
  - Jogo bruto no comércio internacional
  - Etanol poderá ser usado no híbrido e no elétrico fuel cell
  - Tempo seco favorece a colheita e a moagem da cana-de-açúcar
  - Açúcar: preços voltam a subir no mercado externo, mas continuam abaixo de 12 cts/lb
  - A política de preços do hidratado destruindo valor na cana
17/04/18 - Indústria paulista cria 10 mil vagas em março e tem melhor desempenho desde 2013
  - Araçatuba é destaque na geração de emprego na indústria
  - Política e acordo comercial estão no radar das commodities
13/04/18 - Exportações do agronegócio gaúcho crescem 37% no 1º. trimestre na comparação anua
  - Primeiro trimestre tem alta nas exportações do agronegócio
11/04/18 - Porto de Paranaguá tem o melhor março da história com 4,9 milhões de toneladas movimentadas
10/04/18 - Exportações do agronegócio sobem 4,1% em março; saldo comercial é de R$ 7,79 bi
  - Cresce o número de startups no agronegócio, aponta pesquisa
  - Saldo comercial do agronegócio alcança US$ 7,79 bilhões em março
21/11/17 - Diferença entre o imposto sobre carbono e o RenovaBio
05/04/17 - O berço do negócio sucroenergético
29/03/17 - Planejamento é a chave deste cenário
27/03/17 - Planejamento estratégico das organizações e associações
23/03/17 - A estrutura do setor precisa ser repensada
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
O jogo está aberto
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/