Terça-feira, 25 de julho de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
O preço do açúcar veio morro abaixo  

28/06/2017 - Quais são os fatos e impactos na cana?

De acordo com a Unica, a moagem acumulada desta safra até o dia 01 de junho foi de 111 milhões de toneladas, contra 141,37 milhões na safra passada. Estamos atrasados em quase 30 milhões. Resultado da safra que começou atrasada com menos cana bisada e condições climáticas menos favoráveis à moagem. Estamos também com ATR bem mais baixo (118,36 contra 122,31) e a produtividade de 79,98 toneladas por hectare, o que dá 9% a menos que na safra anterior.

O clima aparentemente ajudou um pouco neste mês, mantendo as projeções ao redor de 585 milhões de toneladas (3,65% menor) com produção de açúcar de 35,2 milhões de toneladas (1,2% menor) e de 24,7 bilhões de litros de etanol (3,71% menor), isto tudo para uma capacidade de moagem no Centro Sul ao redor de 630 milhões de toneladas.

Em relação a resultados, a Copersucar na safra 2016/17 teve faturamento de R$ 28,3 bilhões (31% com açúcar e 65% com etanol), aumento de 7,3% e deixou lucro líquido de R$ 254,4 milhões. A Tereos anunciou faturamento de R$ 10,2 bilhões e lucro líquido de R$ 191 milhões, contra prejuízo de R$ 180 milhões na safra anterior, vindos de um processamento de 20,1 milhões de toneladas com produtividade de 78 t/ha e ATR de 134,9 kg/t. A alavancagem caiu de 4,2 vezes para 2,9 vezes. O CTC anunciou também lucro de R$ 12,5 milhões na safra 2016/17. Boa notícia também foi a aprovação da cana transgênica pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). É a primeira no mundo e finalmente, a Zilor processou na safra 11,341 milhões de toneladas (sendo 38% para açúcar), obtendo receita líquida de R$ 2 bilhões e lucro líquido de R$ 167,4 milhões. Sua alavancagem também caiu de 3,8 para 2,5 vezes.


Quais são os fatos e impactos no açúcar neste junho?

O mês no açúcar não foi bom. Conjunto de notícias que ajudou a derrubar as cotações mais do que eu acreditava. Vamos aos fatos: fatores como a entrega física de açúcar por um grande produtor em março, o câmbio (movimento de desvalorização do real derruba os preços do açúcar), expectativas aumentos de produções em concorrentes, queda do preço do petróleo e da gasolina no Brasil (mesmo com desvalorização do real), organizações (fundos) que investiram esperando valorização, elevação do imposto de importação na China (a taxa além da cota de 1,95 milhão de toneladas por ano foi elevada de 50% para 95%) e o consumo de hidratado que não reagiu como deveria.

O preço chegou a ser o menor em 20 meses, tocando menos de 13 cents/libra peso. De acordo com a Archer Consulting, o valor do início de junho (R$ 1.027 por tonelada) foi o menor desde setembro de 2015. E pensar que neste ano já tivemos 21,49 cents (06/02) quando bons analistas e alguns sortudos aproveitaram para vender.

Maio foi muito bom para as exportações. Enviamos 2,440 milhões de toneladas de açúcar (bruto e refinado) o que representa um crescimento de 50,4% sobre o mês anterior e 21,3% acima de maio de 2016. Entraram US$ 1,036 bilhão, 43,2% a mais que os US$ 723,7 milhões de abril e quase 55% maior que os US$ 671 milhões de maio passado. Até o final de maio, o volume total vendido (acumulado do ano) atingiu 9,693 milhões de toneladas (cerca de 1,5% a menos), mas a receita está 40,5% maior, atingindo US$ 4,239 bilhões.

Em relação às perspectivas da safra, a Copersucar já acredita em queda na produção de açúcar na safra 2017/18 devidos aos preços baixos e etanol mais competitivo. De 36 milhões, esperam agora 35,5 milhões de toneladas. Quanto maior a distância em relação ao porto, mais a conversão para etanol tem sido observada. Esperam também mudança no superávit de 2 a 3 milhões de toneladas, a depender deste movimento que já alertei na coluna de maio, para menor. Tal como a Copersucar, a Archer acredita que a produção de açúcar pode ser 1,5 milhão de toneladas menor.

Para a Datagro, produção global de açúcar em 2017/2018 passa de um déficit de 200 mil toneladas 640 mil toneladas de superávit. Também caiu o déficit do ciclo 2016/2017, de 7,85 milhões para 6,78 milhões de toneladas, devido ao aumento de produção na Índia (de 19,2 milhões para 20,5 milhões de toneladas em 16/17 e 23,5 milhões para 24,2 milhões em 17/18. Produção também cresceu na China de 9,8 milhões para 10,47 milhões. Também deve aumentar o açúcar europeu de beterraba, puxado pela Ucrânia.

A Organização Internacional do Açúcar (OIA) mudou sua projeção para o déficit global da commodity na safra 2016/2017 para 6,465 milhões de toneladas, superior ao último relatório que esperava 5,869 milhões. A produção deve ser de 165,928 milhões (0,3% maior) e o consumo de 172,393 milhões (1,22% maior). Em relação a 2017/18 acreditam em superávit de 3 milhões de toneladas, que deve ser mantido também em 2018/19. Pela SUCDEN, na safra 2017/18, o mundo produzirá 183 milhões de toneladas e consumirá 179,5 milhões (1,4% maior), deixando um superávit de 3,5 milhões. Produção puxada por União Europeia, Índia, Tailândia e China. São menores também as probabilidades de eventos climáticos. Como sempre digo que "preço muito bom não é bom" vamos colher agora os resultados dos excelentes preços em alguns momentos de 2016

Porém, o Rabobank aposta em preços maiores até o final deste ano, devido aos fundos de investimentos, pois acredita que os preços estão baixos demais observando a relação entre estoque e consumo;

Ponto negativo para nós foi a estimativa da UNICA que a taxação da China pode reduzir as exportações do Brasil em 800 mil toneladas de açúcar neste ano e também o acordo entre os governos de Estados Unidos e México que permite a este continuar a vender açúcar aos EUA. Porém o México terá que alterar a proporção de 50% para 30% de açúcar refinado nas vendas totais, permitindo mais refino nos EUA. Os preços mínimos e nível de pureza também aumentaram;

Minha leitura no açúcar está alinhada com o Rabobank, de preços maiores para o açúcar em breve e uma média de preços entre 16 a 17 cents/libra peso nesta safra, a menos que o Petróleo caia mais e não consigamos escoar mais cana via hidratado, o que neste momento não é minha aposta, apesar dos resultados não estarem bons, como veremos a seguir.


Quais são os fatos e impactos no etanol neste junho?

Pela ANP, o consumo de combustíveis em gasolina equivalente cresceu nos últimos 12 meses 0.14%. Etanol anidro e gasolina A (sem mistura) cresceram 5.78%, e o hidratado caiu 19,49%, trazendo a proporção para 44.4% de etanol e 55.6% de gasolina. Em maio também a venda de etanol pelas Usinas caiu 12,15% em relação a maio de 2016, para 2,10 bilhões de litros. Desde o início da safra, as vendas caíram 14,26%, somando 3,82 bilhões de litros. O anidro caiu 9,18% e o hidratado 17,79%.

Foi aprovada pela Comissão Especial da Câmara Federal uma proposta que permite aos municípios colocarem uma CIDE municipal para custear transporte público. Falta agora ser aprovada pelo plenário, portanto pode ter chances de nos municípios canavieiros, ela ser aplicada apenas para a gasolina, ajudando no consumo de hidratado. O Governo volta a falar em CIDE, com a queda da arrecadação, o que pode ser um alento neste momento de queda dos preços do petróleo.

A queda nos preços do açúcar e a possibilidade do Brasil fazer mais etanol já afeta as expectativas com exportações do etanol de milho dos EUA, mostrando como as coisas são inter-relacionadas no complexo agronegócio mundial.

A Nissan conclui neste mês um primeiro momento de testes do projeto e-Bio Fuel Cell, o carro elétrico que usa etanol com fonte geradora de hidrogênio que é transformado em eletricidade. Mas a empresa crê que apenas após 2020 esta tecnologia estará disponível, o que foi triste, pois eu achava que poderia vir antes.

Um caso de sucesso é o Protocolo Agroambiental do Setor Sucroenergético, segundo estudo apresentado pela Secretaria do Meio Ambiente contribuiu reduzindo praticamente 10 milhões de toneladas de gás carbônico equivalente entre as safras 2006/07 e 2016/17. Também deixamos de lançar 56 milhões de toneladas de poluentes, entre eles o CO (monóxido de carbono). O número de colhedoras saltou de 753 em 2006/07 para 3000 em 2016/17. A queima hoje está restrita a apenas 2,5% do território paulista com cana. Trata-se de um presente dado pelo setor à sociedade paulista, praticamente sem cobrar.

Finalmente foi atingido o limite de etanol que pode ser produzido à partir do milho nos EUA desde que a lei passou no congresso em 2007, que estipulou 15 bilhões de galões em 2017. Como a lei coloca que devem ser produzidos 36 bilhões de galões até 2022, outros tipos de biocombustíveis tem que acelerar o passo para atingir esta produção até lá, o que não vem acontecendo. Para crescer, a indústria de etanol dos EUA precisa das exportações e do crescimento de combustíveis que levem mais etanol, como o E85.

Os preços do petróleo, que mês passado foram favoráveis ao etanol por terem subido, voltaram a cair, mesmo com anúncios de corte da produção feitos pela OPEP. Esta variável vem atrapalhando bem a cana nos últimos 30 dias. A Petrobras abaixou o preço da gasolina, justificando por uma necessidade de recuperação de participação de mercado pois as importações de diesel e gasolina aumentaram bastante em seus concorrentes em detrimento às compras nas refinarias da empresa, trazendo com isto maior ociosidade nos ativos de refino da empresa. Pela ANP, as importações de diesel saltaram 47% no bimestre, motivadas por um prêmio de 16,4% e de quase 3% na gasolina. Esta queda atrapalhou o retorno do hidratado.

A EPE (Empresa de Pesquisa Energética) publicou sua nova análise dos próximos 10 anos no Brasil. Entre as principais conclusões estão uma queda de participação de mercado da Petrobrás na produção nacional de petróleo de 78% para 70% até 2026 e nossa produção deve dobrar para algo entre 4,7 milhões e 5 milhões de barris diários em 2026.

Na visão da EPE a demanda (Ciclo Otto) não acompanha a oferta pois crescerá apenas 9,25% até 2026 e o Brasil passará a exportar 1,5 milhão a 2 milhões de barris/dia. A boa notícia é o aumento na participação do hidratado dos atuais 30% para 46% em 2026, com expansão de uma a duas novas usinas por ano à partir de 2021. A EPE está mais verde recentemente.

Preços caíram muito (6% desde o início da safra e 28% desde o início do ano) graças à queda do preço do petróleo mas o consumo não reagiu, ficando pouco acima do 1 bilhão de litros. Fechando, o etanol hidratado precisa recuperar espaço no mercado para ajudar no preço do açúcar. Continuo crendo que como temos menos cana e a economia começa a dar sinais de vida, eu não venderia agora.

*O artigo é uma leitura do Prof. Dr. Marcos Fava Neves sobre os Fatos da Cana em Junho de 2017.

Marcos Fava Neves
Professor Titular da FEA/USP, Campus de Ribeirão Preto
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
24/07/17 - Produtividade do algodão baiano é maior dos últimos 5 anos
  - Safra brasileira de grãos deve alcançar 288,2 milhões de toneladas em 10 anos
  - Balança comercial tem superávit de US$ 2,203 bilhões na 3ª semana de julho
  - Copercana investe R$ 4 milhões e inaugura posto em Santa Rosa de Viterbo-SP
  - Consumo de etanol deve aumentar em Minas Gerais
  - Após aumento de impostos, mercado sobe previsão para inflação em 2017
  - Etanol caiu em 18 Estados e no DF antes de aumento do PIS/Cofins, diz ANP
  - FMI eleva previsão de crescimento do Brasil em 2017
  - Chuva no litoral do Nordeste favorece safra de grãos
  - Como empresas se protegem da oscilação de preço de commodities
  - André Rocha e Renato Cunha são reeleitos na presidência do Fórum Nacional Sucroenergético
  - Dólar fecha com leve alta ante real em dia de agenda vazia
  - Nota de esclarecimento: Imposto de importação para o etanol não é protecionismo
  - Aumento dos impostos sobre os combustíveis mantém preços do açúcar estáveis
21/07/17 - Queda no preço do açúcar aos produtores não reflete para consumidores
  - CDR examinará projeto que autoriza plantio de cana-de-açúcar na Amazônia
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
O preço do açúcar veio morro abaixo
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/