Quinta-feira, 21 de setembro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Consumo é esperança para crescimento do PIB no 2º trimestre  

01/09/2017 - O consumo das famílias deve ter voltado a crescer no segundo trimestre do ano em relação ao trimestre anterior, após nove períodos consecutivos de queda.

A variável deve responder por parte importante da leve alta esperada para o PIB do segundo trimestre, que será divulgado nesta sexta (1º).

A reação do consumo foi favorecida por baixa inflação, liberação dos recursos do FGTS e certa melhora no mercado de trabalho.

A queda nos preços dos alimentos provocada pela safra agrícola recorde também pode ter contribuído com dados do consumo melhores do que o esperado.

Cálculos de Fernando Montero, da corretora Tullet Prebon, indicam que a cesta básica acompanhada pelo Procon de São Paulo custava R$ 642,99 na quinta (31). Há um ano, esse valor era de R$ 696,75.

Como o salário mínimo subiu de R$ 880 para R$ 937 no mesmo intervalo, uma família que vivia com o piso salarial ficava com R$ 183,25 após a compra da cesta. Hoje essa sobra é de R$ 294,01.

"Alguém tem que comer a montanha de comida que choveu neste ano", diz Montero. "O preço da cesta básica cai há 13 semanas e, até escoar essa monstruosa safra, ele continuará caindo".


Investimento


O investimento também pode ter surpreendido no trimestre, mas essa avaliação é mais controversa.

O Santander espera alta de 1,1% para o consumo no segundo trimestre sobre o primeiro e de 0,4% para o investimento. A consultoria Tendências prevê avanço de 0,4% para ambos, e a LCA, alta de 1,5% (consumo) e de 1,9% (investimento).

Se as duas variáveis, que respondem por quase 90% do PIB, tiverem alta, será a primeira vez que isso ocorre em 14 trimestres.

Os analistas concordam, porém, que uma eventual alta do investimento será mais resultado da base muito deprimida do que de um movimento mais saudável de ampliação de unidades e abertura de fábricas.

O próprio aumento do consumo, dado como certo pela maioria dos economistas, ainda é frágil, impulsionado principalmente por fatores eventuais como o choque dos preços agrícolas e a liberação do FGTS.

Sergio Vale, da MB Associados, diz que a retomada dos gastos das famílias ainda é limitada porque os salários dos que estão se recolocando são menores do que os daqueles que foram demitidos. Com a continuação da queda do desemprego, diz, a melhora do consumo deve ganhar ímpeto.

Já o investimento tende a demorar mais tempo para ganhar fôlego. Até há uma alta nas compras de bens de capital, mas ela é explicada pela reposição de máquinas e equipamentos que vão se depreciando. No geral, as previsões apontam para uma recuperação econômica ainda bastante lenta.

Flavia Lima e Érica Fraga
Fonte: Reuters
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
21/09/17 - Valor da produção agrícola sobe 20% em um ano
  - A necessidade do Código Florestal
  - Cultivo de cana em áreas de pastagens melhora a qualidade do solo, diz pesquisador
  - Terremotos no México prejudicam geração eólica
  - Governo fará enquete sobre o fim do horário de verão
  - Recuperação da estrada AVA10 que é ligada a Diana Bioenergia está a todo vapor
  - Reservatórios do Norte baixam e operam com 40,4% da capacidade
  - Dólar sobe ante real seguindo exterior após decisão Fed
  - Tempo seco prejudica plantio de milho no ParanáRegiões produtoras enfrentam 30 dias sem registros de
  chuva
  - ONS prevê bandeira vermelha nas contas de outubro e novembro
  - ANTT autoriza reajuste de pedágios em trecho da BR-116
  - Dólar sobe ante real após decisão Fed e de olho no STF
13/09/17 - Usinas de etanol podem gerar mais de 2 mil empregos pelo Estado; estudo aponta viabilidade econômica
  e ambiental
11/09/17 - Agronegócio gera mais de três mil empregos com carteira assinada no Piauí
  - Emprego na indústria paulista tem queda, mas no acumulado do ano é positivo
08/09/17 - Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA atingem maior nível em mais de 2 anos
01/09/17 - Vaga com carteira assinada dá primeiro sinal de reação em dois anos
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Consumo é esperança para crescimento do PIB no 2º trimestre
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/