Quarta-feira, 18 de outubro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Moody´s: previsão atual do PIB do Brasil para 2018, de 1,5%, deve ser elevada  

10/10/2017 - O chefe de análise de risco soberano para a América Latina da agência de classificação Moody´s, Mauro Leos, disse a jornalistas nesta terça-feira, 10, que os analistas da casa estão em processo de reavaliação das projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil para 2018 e a tendência é que o número seja revisado para cima.

A previsão atual é que o indicador cresça 1,5% no ano que vem. O novo número deve ser divulgado em algumas semanas, provavelmente no começo de novembro, quando a Moody´s apresenta seu novo relatório de previsões mundiais.

Leos ressaltou que a economia brasileira tem mostrado sinais de melhora nos últimos meses, com a atividade ganhando tração, a inflação seguindo em queda e os juros sendo reduzidos pelo Banco Central.

Alguns setores estão se recuperando primeiro que outros e em ritmo mais forte, mas a sensação ao se olhar os mais recentes indicadores é que a economia virou a curva, disse ele.


Contas fiscais


É pouco provável que as contas fiscais brasileiras tenham melhora nos próximos anos a ponto de estabilizar a relação entre a dívida pública e o PIB, um dos principais indicadores de solvência de um país, disse Mauro Leos. No melhor cenário, a dívida/PIB deve se estabilizar em 2020 na casa dos 80%, nível acima de outros emergentes, incluindo países do mesmo rating do Brasil.

"Não vemos a relação dívida/PIB se estabilizando em 2018 e 2019. Para se estabilizar em 2020 todas as coisas precisam ir na direção certa", disse ele, citando a necessidade de aprovação da reforma da Previdência, o PIB voltando a crescer na casa dos 3% e a Selic mantida no patamar de 8%. "No melhor cenário, é possível que a dívida/PIB se estabilizaria em 2020."

Leos ressaltou que o Brasil tem apresentado déficits primários elevados nos últimos anos e que os números têm piorado. Ele mostrou em uma apresentação previsões oficiais do governo, que revisou as projeções do rombo nos próximos anos. "O maior desafio para o perfil de crédito do Brasil é fiscal, fiscal e fiscal", disse Leos em sua apresentação.

Com esse nível de déficit primário é muito improvável que a relação dívida/PIB vá se estabilizar, disse Leos, mostrando em um gráfico que o indicador do Brasil está em 72,8% em média no período de 2015/2018, acima do que era em anos anteriores, quando estava na casa dos 50%. Até onde este indicador vai subir e por quanto tempo ficará neste patamar são fatores importantes para determinar o rating soberano do Brasil, observou o analista da Moody´s.

Leos ressaltou que há alguns fatores necessários, mas não suficientes, para tentar reduzir a dívida/PIB. Um deles é o maior crescimento da economia, que ajuda a arrecadação do governo. Mesmo assim ele ressaltou que é preciso um crescimento sustentável, não apenas em um ou outro ano. Entre outros fatores essenciais para reduzir a dívida é reforma da Previdência e o cumprimento do teto que limita o aumento do gasto público.

Na questão fiscal, Leos citou que o Brasil tem flexibilidade limitada no Orçamento do governo. Só a previdência consome ao redor de 50% do orçamento no Brasil, bem acima da média da América Latina, que é 26%. O Brasil paga com juros (25% do orçamento) muito mais que seus vizinhos (10% em média), ressaltou o analista da Moody´s.


Investimento

Já o investimento consome apenas 1% do orçamento do governo brasileiro, enquanto na América Latina a média é de 18%, ressaltou ele. As taxas de investimento do Brasil são menores que outros mercados, incluindo o Paraguai, disse Leos. Para o PIB voltar a crescer de forma mais sustentada, será preciso que o investimento ganhe tração, ressaltou o analista.

Entre os fatores positivos do Brasil, o analista da Moody´s citou as contas externas, com o déficit em transações correntes caindo nos últimos meses, as elevadas reservas internacionais e a baixa exposição da dívida pública brasileira ao financiamento externo. Em todos estes indicadores, o Brasil tem posição melhor que países do mesmo rating, ao contrário dos indicadores fiscais, em que a situação brasileira é bem pior.

Fonte: Estadão Conteúdo
Texto extraído da revista Isto É Dinheiro
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
18/10/17 - Etanol: aumenta o consumo em Minas Gerais
  - Não se pode ter projeto para o Brasil sem o agronegócio, diz Alckmin
  - Reservatórios do Norte operam com 25,2% da capacidade
  - CBOT: Mercado de grãos é pressionado por safra dos EUA e deve abrir em queda
  - Produção total de petróleo e gás da Petrobras sobe 2,57% em setembro
  - Entrada de dólares supera saída em US$ 7,940 bi no ano até 13 de outubro, diz BC
  - Petróleo opera em alta, após dados do API e com Oriente Médio ainda no radar
  - Estoques de óleo de soja na China atingem recorde após alta nas importações
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Moody´s: previsão atual do PIB do Brasil para 2018, de 1,5%, deve ser elevada
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/