Domingo, 19 de novembro de 2017
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia | Energia | Espaço Datagro
Etanol | Fórum de Articulistas | Investing.com | Investing.com Internacionais | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Valor da Produção Agropecuária do Estado de São Paulo: resulta-do preliminar 2017  

25/10/2017 - O Valor da Produção Agropecuária do Estado de São Paulo (VPA) mostra os resultados econômicos das principais atividades do setor e é calculado e estimado regularmente pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA), com o intuito de fornecer subsídios para tomadas de decisão tanto para o setor privado dos diversos segmentos da economia, notadamente aqueles atuantes no âmbito das diversas cadeias produtivas da agropecuária paulista, como para os órgãos governamentais no desenvolvimento ou implantação de políticas públicas.

O cálculo do VPA foi feito a partir de dados de produção vegetal e animal de 50 produtos da agropecuária paulista, selecionados e extraídos dos Levantamentos por Municípios de Previsões e Estimativas das Safras Agrícolas do Estado de São Paulo, realizados cinco vezes por ano pelo IEA e pela Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), órgãos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado1,2,3. Temporariamente os "Produtos Florestais", que reúnem a madeira de eucalipto, madeira de pinus e resina de pinus, não comporão o Valor da Produção Agropecuária, uma vez que a metodologia para obtenção dos dados está sendo revista.

Os preços dos produtos agropecuários são obtidos do Banco de Dados do IEA4. Os preços dos produtos olerícolas e frutas, com exceção dos de batata, cebola, mandioca para mesa e tomate, bem como os de banana, laranja e tangerina, são obtidos junto à Companhia de Entreposto e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP)5, ponderados por variedades para cada espécie e decompostos a partir dos preços de venda do atacado. Foram utilizados os preços médios mensais correntes de 2016 recebidos pelos produtores de janeiro a dezembro e para a estimativa do VPA de 2017 foram utilizados os preços médios de janeiro a julho.

De acordo com suas peculiaridades, os produtos são analisados e classificados em cinco grupos: Produtos para Indústria, Produtos Animais, Frutas Frescas, Grãos e Fibras e Olerícolas. O cálculo da variação do VPA de 2017 relativamente a 2016 foi feito com base em índices de preços e de quantidades, elaborados pela fórmula de Fisher (base 2016 = 100) para os produtos considerados6.

O VPA expressa o faturamento da atividade agropecuária "dentro da porteira" e a estimativa preliminar para 2017 resultou em R$77,01 bilhões, portanto um aumento de 2,06% sobre o VPA calculado para o ano anterior. Em termos reais, quando considerados valores deflacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), base julho, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o VPA apresentou uma queda de 0,63%, comparativamente ao período de 20167. Isso reflete menor renda para o produtor no campo, haja vista que a variação do índice de preços recebidos pelo produtor foi negativa em quase todos os grupos de produtos, exceto no de produtos para indústria, liderado por maiores preços recebidos para mandioca para indústria (49,32%), para borracha (36,11%) e para cana-de-açúcar (12,70%). A variação do índice de preços recebidos estadual, em 2017, é 0,95% menor quando comparada aos preços de 2016. Entretanto, quando se exclui o produto cana-de-açúcar deste total, devido ao seu peso perante os demais inseridos no VPA, a variação é mais acentuada (-8,97%), influenciada pelos grupos de grãos e fibras (-24,29%) e olerícolas (-23,53%).

Entre os doze produtos que apresentam VPA superior a R$1,0 bilhão e representam 87,37% do VPA total do estado, seis registraram quedas de preços. Os preços da carne bovina e de frango, atividades que se situam na 2ª e na 4ª colocação no ranking do VPA, acusaram queda, respectivamente, de 8,72% e 11,07%, aliada à redução de 1,27% na produção da carne bovina e estabilidade na produção da carne de frango. A soja, 5ª colocada no ranking, apresentou redução de preço e ganhos de produção ao redor de 14%, com a expansão da área entre o replantio das lavouras de cana-de-açúcar, de milho e de pastos degradados e das condições climáticas adequadas ao desenvolvimento da oleaginosa. O preço do milho, situado na 7ª posição, sofreu redução de 32,53%, com aumento da produção da ordem de 21%, influenciado pela umidade adequada no período da germinação das sementes e nas demais fases de desenvolvimento das plantas. O café beneficiado, na 9ª posição, apresentou queda de 28,2% na produção, causada pela intensa bienalidade registrada no cinturão francano, maior região produtora paulista, e de 4,14% no preço. Na 11ª posição a banana apresentou redução de 16,62% nos preços, por conta de boa oferta da fruta que neste ano o "pico" da safra aconteceu mais tarde, consequência do último inverno, embora registra-se, preliminarmente, um volume ligeiramente menor em 0,65% na produção. O comportamento dos preços de alguns desses produtos (inclusive a banana), reflete a reversão do ocorrido na temporada anterior quando seus preços estiveram muito altos. Outros produtos cujos VPAs não atingiram a casa do bilhão, mas apresentam níveis de VPAs elevados, também registraram reduções expressivas de preços, caso do amendoim em casca (13,69%), do limão (54,50%), do feijão (43,17%) e da batata (56,85%).

O grupo de Produtos para Indústria, com um aumento previsto do VPA de 13,90%, em 2017, comparativamente a 2016, garantiu resultado positivo no VPA total do estado (em valores nominais), uma vez que este apresentou desempenho positivo e os demais decréscimos. Este grupo ganhou 5 pontos percentuais na participação entre os demais grupos de produtos, tendo as atividades para indústria como: borracha (51,08%), mandioca (48,88%), laranja (32,97%), tomate (25,41%) e cana-de-açúcar (15,00%) grandes desempenhos, em especial por conta dos ganhos dos preços médios recebidos pelos produtores, exceto café (-31,19%). O VPA da cana-de-açúcar, produto de destaque no grupo de Produtos para Indústria, elevou sua participação de 37,21% para 41,93% do VPA total estimado para o estado, por conta do aumento nos preços médios, visto que fatores como déficit mundial de açúcar e produção em queda, aliados a um consumo alto na Ásia sustentam as cotações. O VPA da laranja apresenta ganhos de 32,97%, ocasionado pelo aumento de 8,85% nos preços recebidos, incentivo dado pela indústria, já que há baixo estoque de suco e aumento previsto de 22,16% na produção (destinada à indústria), visto que as condições climáticas observadas em período crítico de desenvolvimento colaboraram para o aumento da produtividade. A borracha (natural) tem expressivo aumento no VPA (51,08%), com recuperação dos preços recebidos (36,11%), mais atrativos que a borracha sintética, vinda do petróleo, cujos preços têm sofrido aumentos vultosos, que passa a ter uma maior presença nas formulações da indústria, o que reflete em aquecimento da demanda pelo produto.

O valor da produção do grupo de Produtos Olerícolas apresentou a maior queda, comparativamente a 2016, por conta tanto de menores preços médios (23,53%) quanto de quantidades produzidas (3,70%). Produtos que mais afetaram estes resultados foram: batata (-52,57%), beterraba (-51,87%), batata-doce (-45,11%), abobrinha (-33,18%) e abóbora (-20,81%). Em geral, os resultados encontrados, em especial para esse grupo, refletem ajustes tanto de preços mais coerentes com o mercado, quanto de produção normalizada nas safras 2016 e 2017, perante situações atípicas ocorridas nos anos de 2013 a 2015. Embora condições climáticas inapropriadas, como baixas temperaturas durante o período de maturação do tomate (destinado ao consumo in natura), comprometeram a oferta do produto maduro, ocasionando aumento no preço recebido (5,10%) e queda de produção (6,54%). Já para batata, a boa oferta vinda das principais regiões produtoras, associada a uma demanda de estável a fraca, refletiu nos preços mais baixos (56,85%).

Já para o grupo de Grãos e Fibras o decréscimo de 11,30% no VPA de 2017 foi causado pelos menores preços médios praticados (24,29%), embora são previstos ganhos de produção da ordem de 17,16% para o conjunto de produtos que compõem este grupo. Os grãos em destaque são triticale que apresenta queda em 74,57% do VPA, por conta de menores preços médios recebidos (24,81%) e menor volume produzido (66,17%), já que os produtores optaram por culturas mais rentáveis como trigo, aveia e soja, além de feijão (33,30%), milho (18,61%) e sorgo (13,46%).

O grupo de Frutas Frescas que participa com 9,36% do VPA estadual, em 2017, no valor da produção é esperado 4,74% menor que o ocorrido em 2016, por conta de menores preços médios praticados (10,83%). Ganhos expressivos no VPA de 61,48%, 37,56% e 22,03%, respectivamente para as culturas de laranja, manga e melancia, não foram suficientes para reverter as perdas do valor da produção, principalmente de pêssego (71,59%), limão (43,42%), figo (32,57%), goiaba (26,62%) e maracujá (26,18%).

O valor da produção dos Produtos Animais indica uma queda de 4,83%, em relação a 2016 causado principalmente pelos menores preços médios praticados (4,38%), visto que a produção está ligeiramente menor (0,47%). Este grupo participa, em termos do VPA, ao redor de 25% do estadual, totalizando R$18,3 bilhões, representado principalmente pela carne bovina, carne de frango, ovos de galinha e leite, que reúnem 97% do VPA do grupo de produtos animais. O VPA da carne bovina está 9,88% menor que o ocorrido em 2016, devido aos menores preços praticados junto ao pecuarista (8,72%) impactado pela operação "carne-fraca", que divulgou informações desastrosas para o setor, e agravado com o fim da isenção do ICMS, no Estado, que afetou não só a carne bovina, mas também as demais8. O VPA do leite cresceu 5,39%, relativamente a 2016, justificado por melhores preços recebidos (5,56%). Em 2017 verifica-se recuperação das margens do produtor de leite, impulsionada tanto pelos custos de produção mais baixos, porque a safra recorde de grãos pressionou as cotações para baixo, em particular as do milho, quanto pelo preço maior do leite ao produtor.

José Roberto Da Silva, Paulo José Coelho, Denise Viani Caser, Carlos Roberto Ferreira Bueno e Eder Pinatti
Fonte: IEA
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
17/11/17 - País adota compromisso por biocombustíveis
  - Clube da Cana reúne setor sucroenergético para planejar o futuro da produção no País
  - Chuva favorece pastagem pelo Brasil
  - Dólar segue em baixa com desempenho fraco no exterior
  - Previsão de mais chuvas reduz custo de operação do sistema elétrico
  - Próxima safra de cana deve ser 4,2% inferior
  - ATR SP: acumulado cai 0,78% em outubro; valor mensal subiu 2,42%
  - Soja testa leves altas na Bolsa de Chicago nesta manhã de 6ª feira
  - Cresce a confiança do consumidor, indica pesquisa do SPC e CDNL
  - Mato Grosso terá queda de 18,75% na 2ª safra de milho 17/18, diz Imea
  - Papa diz que negar mudanças climáticas é "atitude perversa"
  - COP-23 termina nesta sexta com avanços discretos na implementação do Acordo de Paris
  - Relatório prevê modelo híbrido de fornecimento de eletricidade até 2025
  - Confira a previsão do tempo para o fim de semana em todo o Brasil
  - Leilão da ferrovia Norte-Sul deve ocorrer somente no segundo trimestre de 2018, diz fonte
  - Economia brasileira vive período de desinflação e recuperação, diz Goldfajn
  - Preços do açúcar fecham em alta por preços do petróleo e demanda de etanol
  - Reservatórios do Sul operam com 58% da capacidade
  - Braskem testa uso de açúcar para produção substância usada em plástico tipo PET
  - CBOT: Mercado de grãos tende a abrir em alta; soja monitora demanda e clima
  - Etanol volta com força
  - Dólar cai e encosta em R$3,25 com exterior, mas mantém olho em movimentação política
  - Taxas futuras de juros seguem em baixa na esteira do dólar
  - Falta trabalho a 26,8 milhões de pessoas no País no 3º trimestre, aponta IBGE
  - Exportações do setor agropecuário crescem mais de 150% em um ano
16/11/17 - Clima favorece safra 2017/18
  - Área de soja 17/18 do Brasil cresce mais um pouco na reta final do plantio
  - Produtividade da cana-de-açúcar pode aumentar em consórcio com milho no Cerrado
  - CBOT: Soja tende a abrir em baixa com queda na exportação; milho e trigo podem subir
  - Fila de navios para embarcar açúcar no Brasil recua 36% em 2 semanas
  - Nas terras `altas´ de Goiás, com perfil de solo melhorado pelos grãos, cana de 7/8 cortes está
  conseguindo até 100 toneladas/ha
  - Chuva provoca redução da safra de grãos
  - Dólar cai quase 1% e volta ao patamar de R$3,27 com correção e exterior
  - Safra de grãos pode sofrer queda de 9% em 2018 no país
14/11/17 - Saiba como maximizar a margem operacional de uma usina com elevação de TCH E ATR
  - Usinas de MG fecham 17/18 processando mais 3 mi/t, ATR "expressivo" de 145 kg/t de cana e com folga
  para produzir mais etanol
  - Previsão do tempo é aliada do produtor rural
  - Milho Chicago no ritmo da 2ª com leves recuos atrelados aos fundamentos de safra e colheita dos EUA
  - Açúcar: Indicador sobe mais de 6% em sete dias
  - Datagro reduz projeção sobre superávit mundial de açúcar em 2017/18
  - Área de soja 17/18 do Brasil cresce mais um pouco na reta final do plantio
  - Brasil reduzirá produção de soja e milho em 2017/18, diz MB Agro
13/11/17 - São Martinho deve encerrar moagem de cana em dezembro; vê maior volume de produtos
  - IC agro cai 7,2 pts no 3T17 ante 3T16, para 99,1 pts e indica perda de confiança
  - Etanol: Venda total sobe 15,21% em outubro; mercado interno cresce 11%
  - Usinas do NE pedem vendas diretas do etanol aos postos para cortar preços nas bombas e cotas maiores
  de açúcar para os EUA
10/11/17 - Cana: INTL FCStone estima moagem de 587,5 mi de t em 2018/19 no centro-sul, alta de 0,6%
  - Açúcar continua a impulsionar as exportações na região de Ribeirão Preto
09/11/17 - 2017/18: INTL FCStone divulga novas perspectivas para mix e ATR
  - Produção de etanol no centro-sul do Brasil deve crescer 5% em 18/19, prevê FCStone
  - 2018/19: Maior competitividade do etanol deve levar a redução na produção de açúcar no Centro-Sul
  - 2017/18: Forte produção no Hemisfério Norte e demanda mundial tímida devem levar ao primeiro
  superávit global de açúcar em três anos
08/11/17 - ATR PE: Valor líquido tem queda de 8,20% em outubro
11/11/16 - UDOP manifesta pesar pelo falecimento de Palmiro Malosso
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Valor da Produção Agropecuária do Estado de São Paulo: resulta-do preliminar 2017
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
Se não consegue ler a palavra, clique aqui.
Digite a palavra:
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Medalha da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/