Segunda-feira, 18 de junho de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Etanol Aumentar a letra    Diminuir a letra
Brasil deve integrar etanol à indústria de carros elétricos, diz estudo  

09/03/2018 - Um estudo elaborado pela consultoria internacional Accenture, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV Energia), abordando a mobilidade elétrica no Brasil destaca a necessidade de se aproveitar a infraestrutura de produção e abastecimento de biocombustíveis já consolidadas no País:

"Uma oportunidade que o Brasil deve considerar ao desenvolver sua indústria de carros elétricos é qual tecnologia veicular seria mais adequada dado que a indústria de biocombustíveis e os flex já são bem difundidos nacionalmente (...) Assim, o País se beneficia desta vantagem comparativa para redução das emissões [de poluentes], pois o etanol é renovável e os híbridos flex ou a células de combustível (SOFC) podem vir a ser aproveitados rumo à eletrificação da frota."

Para o consultor de Emissões e Tecnologia da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Alfred Szwarc, faz todo sentido associar o pioneirismo do Brasil na fabricação em larga escala do etanol e expertise conquistada no aprimoramento dos automóveis flex com o conceito de eletrificação veicular. Nesta linha, o executivo cita dois importantes projetos voltados para a indústria automotiva nacional.

"Montadoras como Nissan e Toyota já vêm desenvolvendo tecnologias que contemplam o uso do etanol aliado à propulsão elétrica. Isso demonstra a relevância de um biocombustível economicamente viável e ambientalmente correto, pois emite até 90% menos CO2 em comparação à gasolina", afirma o especialista.

Em 2016, a Nissan fez testes bem-sucedidos com um veículo elétrico movido a célula de combustível alimentada por etanol. Em outubro de 2017, outra marca líder, a Toyota, revelou a intenção de produzir o primeiro híbrido flex do mundo, no qual a eletricidade será gerada por motor à combustão abastecido com etanol, gasolina ou a mistura dos dois combustíveis em qualquer proporção. "Com a utilização do biocombustível sucroenergético hidratado, obtido direto na bomba e capaz de reduzir as emissões de CO2 em até 90% se comparado à gasolina, o modelo se tornará o carro híbrido mais ecológico já fabricado, um sinônimo de sustentabilidade", ressalta Alfred Szwarc.


Estudo

O mercado de carros elétricos e híbridos vai prosperar no Brasil, mas segundo o levantamento da Accenture-FGV, este crescimento não se dará no mesmo ritmo de países europeus como Noruega e Holanda, onde os subsídios financeiros são maiores e existe pouca disponibilidade de fontes renováveis e terras para a produção de biocombustíveis de primeira geração, como o etanol de cana feito no Brasil.

Considerando os custos de produção dos elétricos/híbridos e cenário econômico no País, os pesquisadores avaliam que o mercado brasileiro tem capacidade para absolver, no máximo, aproximadamente 150 mil unidades eletrificadas por ano. A análise leva em conta os preços elevados destes modelos, cujos custos são acessíveis somente para consumidores das classes A e B com renda mensal bruta superior a 20 salários mínimos.

Além de pesquisar o potencial do mercado brasileiro, o estudo também avalia o cenário global dos carros elétricos. Dentre os países que já apresentaram metas para incorporar estes modelos em sua frota veicular entre 2020 e 2030, destacam-se a China, França e Índia, que, juntos, pretendem instalar mais de 11 milhões de eletropostos para a recarga de baterias.

Os estudos da Accenture-FGV também detalham os principais impactos diretos e indiretos resultantes da expansão da frota eletrificada. Segundo os pesquisadores, o ambiente para a exploração do lítio, um metal raro usado na composição das baterias, e que libera toxinas prejudiciais à saúde, apresenta tendência de elevação do preço de até 75% até 2025. Projeções indicam que nos próximos quatro anos a demanda pelo lítio crescerá em 20 mil toneladas por ano. Considerando esse mesmo período, o levantamento também examina as consequências para o consumo de eletricidade se 10% dos carros em circulação na Califórnia em 2021. Neste caso, haveria um aumento de 8% no consumo.

A estimativa dos pesquisadores é de que frota global de carros elétricos chegue a 13 milhões de unidades em 2020. Atualmente, de acordo com a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), pouco mais de 2 milhões destes modelos rodam em todo o mundo; 3,3 mil deles no Brasil (UnicaData, 2016).

Para ter acesso aos links do estudo clicando aqui.

08/03/18
Fonte: Unica
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
15/06/18 - Dólar cai mais de 2% após BC reforçar atuação e volta a R$3,73
  - Impacto na movimentação de açúcar já começa a ser visto com o impasse sobre os fretes
  - ANP e Cade criam grupo para analisar mercado de combustíveis
  - Greve de caminhoneiros impacta carga de energia em maio, que fica estável, diz ONS
  - IBC-Br cai 0,29% na média do trimestre até abril ante três meses anteriores
  - Venda direta de etanol a postos prejudica consumidor, diz Adriano Pires
  - Consumo de etanol no Brasil cresce em 2018
  - Preços do açúcar têm forte queda em Nova York e Londres
  - Novos tempos: atividade canavieira tem maior formalização do agronegócio
14/06/18 - Pesquisador do IFRR cria aditivo de biodiesel com óleo de fruta nativa da Amazônia: ´economia de
  40%´
  - Proposta de venda direta de etanol a postos é contestada por produtores e distribuidores
  - Projeto que autoriza venda direta de etanol divide setor; governo prepara estudo
13/06/18 - Proposta que permite venda direta de etanol aos postos ganha urgência no Senado
  - Escolha mais racional
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Brasil deve integrar etanol à indústria de carros elétricos, diz estudo
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Apoio Cultural
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário/Workshop
• Apoio Cultural
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/