Segunda-feira, 17 de dezembro de 2018
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Diversas Aumentar a letra    Diminuir a letra
Perda com tabela de fretes soma R$ 17 bi  

05/07/2018 - Desde a entrada em vigor da tabela de preços mínimos para fretes rodoviários, há 34 dias, os setores de soja e milho acumulam prejuízos de R$ 17 bilhões, segundo cálculo da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Caso continue em vigor por mais dois meses, as perdas podem chegar a R$ 47 bilhões.

Para chegar a esse valor, a CNA levou em consideração o aumento do valor do frete - que chega a até 150% no caso da soja -, a perda de contratos, que deixam de ser cumpridos pelo aumento do preço do transporte, e as multas pelo atraso na entrega das cargas para exportação.

"Essa é uma estimativa conservadora", esclarece a assessora técnica da comissão nacional de logística e infraestrutura da CNA, Elisangela Pereira Lopes.

Segundo ela, o tabelamento dos preços está previsto na Medida Provisória 832/2018, que tramita no legislativo. A tabela de preços publicada em maio também estabelece o pagamento do frete de retorno. Isso ocorre quando após a entrega de uma carga no porto o caminhão volta carregado com outro produto. No agronegócio, é comum o retorno com insumos como fertilizantes, por exemplo.

Com isso, o transporte de uma carga de soja sem frete de retorno chegou a aumentar entre 51% e 150%. Já com o frete de retorno, esse aumento alcança 40%, em média. "Só que esse frete de retorno não está acontecendo em todos os casos", diz.

A mudança já reflete na queda dos volumes de entrega de fertilizantes. O recuo foi de 27,3% em maio sobre o mesmo mês do ano anterior. "Se em junho tivermos o mesmo atraso nas entregas, teremos em torno de 55% de queda acumulada no primeiro semestre", afirma o diretor executivo da Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), David Roquetti Filho. Os dados serão compilados no próximo dia 16.

A demora preocupa produtores, uma vez que o plantio da próxima safra, em setembro, pode ser prejudicado. "Caso ocorra um atraso no plantio da safra de verão, a safrinha do ano que vem poderá ser afetada" diz o presidente da Aprosoja Paraná, Marcio Bonesi.


Armazéns cheios

O preço mais alto dos fretes também tem deixado produtores com os armazéns cheios. "Em casos de produtores que têm silo e negociaram a soja antes da criação da tabela de fretes, as tradings estão adiando a retirada dos grãos devido ao aumento das cotações", explica Bonesi.

A colheita da safrinha de milho já teve início em estados como Mato Grosso e deve ganhar força no Paraná nos próximos dias. "Não tem lugar para guardar o milho que vai entrar", acrescenta o presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz Pereira. Ele lembra que a logística representa 30% dos custos do produtor. "Se o Supremo não tomar uma decisão, o governo federal vai ter que interferir." Ele argumenta que a elevação do custo deve impactar na cesta básica.

O impasse também prejudica o setor de rações, que tem o milho e a soja como principais insumos. O vice-presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações), Ariovaldo Zani, estima que a queda na demanda poderá ser superior a 3% neste ano sobre 2018, quando o volume chegou a 70 milhões de toneladas.

"É claro que outros fatores como os altos preços do milho no primeiro semestre e a queda dos valores pagos pela carne suína e de aves pesam, mas essas perdas se agravam com o tabelamento do frete", avalia.

Para Elisangela, da CNA, a solução para o impasse seria limitar a idade da frota de caminhões. "Aqui, a média é de 18 a 20 anos, enquanto nos Estados Unidos ela é de 10 anos", diz.

Segundo ela, a tabela de preços deveria ser somente uma referência. "Além disso, não deveria ter sido estabelecida multa [para quem paga valores diferentes do mínimo]."

Zani, do Sindirações, não vê soluções no curto prazo. Contudo, defende uma política de Estado para investimento em logística, principalmente em ferrovias e hidrovias.

04/07/18
Marcela Caetano

Fonte: DCI - Diário do Comércio, Indústria & Serviços
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Perda com tabela de fretes soma R$ 17 bi
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Agenda
• Aulas/Palestras
• Comitês de Gestão
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento:
/