Quinta-feira, 23 de maio de 2019
:
EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Economia Aumentar a letra    Diminuir a letra
Agricultores de MT estão preocupados com o preço da soja já que a China pode reduzir negócios com o Brasil  

11/03/2019 - Os agricultores de Sorriso, a 420 km de Cuiabá, estão preocupados com o preço da soja, já que o maior comprador, a China, pode reduzir negócios com o Brasil.

O agricultor Luimar Gemi já terminou a colheita de soja dessa temporada. Agora, está atento à comercialização dos grãos que continuam estocados e correspondem a cerca de 40% da produção que ele ainda precisa negociar.

No ano passado, na mesma época, o estoque era menor, em torno de 20% da produção. O motivo para segurar a venda da soja nesta safra é o preço oferecido ao agricultor nos últimos dias, como explica Luimar Gemi.

"Gira em torno de R$ 60 hoje a oferta por saco de soja. Tivemos vendas em torno de até R$ 68 e gostaríamos de atingir esses números novamente. Então aguardamos algum momento que o mercado nos dê a oportunidade, que a gente possa buscar esse preço", afirmou.

Em Mato Grosso, de acordo com dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), até fevereiro, os produtores tinham vendido pouco mais da metade da soja produzida nesta safra (53,82%). O percentual é um pouco maior que no mesmo período do ano passado (48,42%).

A queda nos preços da saca de soja está relacionada com a aproximação comercial entre a China e os Estados Unidos. Existe a possibilidade de que o país asiático aumente o volume comprado dos norte americanos. Um cenário que deve afetar a exportação brasileira. Em 2018 o país vendeu para o exterior 82 milhões de toneladas e este ano deve ficar em 70 milhões.

Segundo o diretor geral da Associação Nacional de Exportadores de Cereais, Sérgio Mendes, o que aconteceu em 2018 foi uma situação atípica.

Com a guerra comercial entre Estados Unidos e China, houve uma sobretaxa sobre vários produtos. Com isso, o Brasil se beneficiou vendendo mais e faturando mais com a soja, como afirma Sérgio Mendes, diretor geral da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec).

Como o Brasil estava praticamente sozinho, a cotação da soja brasileira foi lá pra cima e, além disso tinha o prêmio, e isso agora acabou. Então, tem uma situação muito inferior em preço em relação a do ano passado.

O volume a ser exportado agora vai ficar próximo aos patamares de 2017, mas a concorrência com o grão norte-americano vai começar mais cedo, segundo Sérgio.

"O que preocupa agora é que toda vez que você tira o ritmo normal do mercado, ele cobra isso de você, então isso que ficou represado nos estados unidos, tende a sair agora numa época que a gente exportava sozinho, que é no primeiro semestre. então agora você vai ter competição americana, numa época em que competia só no segundo semestre", disse.

Os produtores confiam em preços melhores ainda para 2019. Mesmo assim, segundo Luimar, eles não podem segurar o restante da safra estocada por muito tempo. "Se isso não acontecer logo, o agricultor será obrigado a vender nos preços existentes pra cumprir aquilo que ele tem de dívida ou da safra passada ou pensando na matéria prima pra consolidar o próximo plantio", disse.

Yasmim Oliveira
Fonte: Portal G1
Notícias de outros veículos são oferecidas como mera prestação de serviço
e não refletem necessariamente a visão da UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
23/05/19 - Com alta real de 1,28%, arrecadação tem melhor mês de abril em 5 anos
  - Bovespa opera em queda, de olho no Congresso
  - Preços pagos ao produtor gaúcho recuam 1,48%
  - Abdicar do controle da ferrugem na soja acarretaria em prejuízo de R$ 12 bi ao produtor
  - IPC-S fica em 0,34% na 3ª quadrissemana do mês, diz FGV (+0,42% na 2ª leitura)
  - Soja/USDA: EUA vendem 535,8 mil toneladas da safra 2018/19 na semana
  - Soja opera estável nesta 5ª feira em Chicago ainda acompanhando o clima no Corn Belt
  - Egípcia ESIIC compra 50 mil t de açúcar bruto do Brasil, dizem operadores
22/05/19 - Colheita da 2a. safra de milho no PR chega a 3% da área
  - Soja: Preços no BR sobem mais de R$ 5 nos últimos 20 dias, mas ainda enfrentam obstáculos
  - Comercialização da safra 2018/19 de soja no PR alcança 52% da produção
  - Soja: Preços retomam boas altas em Chicago com muitas chuvas previstas para os EUA
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
Agricultores de MT estão preocupados com o preço da soja já que a China pode reduzir negócios com o Brasil
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário:
 
 
A UDOP

• Associadas
• Associe-se
• Estrutura Administrativa
• Nossa História
• Missão, Visão e Objetivos
• Troféu da Agroenergia
• Serviços Prestados
• Vídeo Institucional
• Contatos
Institucional

• Comitês de Gestão
• Convênios e Parcerias
• Legislação
• Sustentabilidade
UniUDOP

• A UniUDOP
• Congresso Nacional da Bioenergia
• Consecana
• Fórum de Implementação Tecnológica
• Pós-Graduação
• Qualifica
• Seminário UDOP de Inovação
Imprensa

• Agência UDOP de Notícias
• Últimas Notícias
• Fórum de Articulistas
• Galerias de Fotos
• Mídias Sociais
• RSS
• TV UDOP
• Apoio Cultural
• Contatos
Dados de Mercado

• Boletins
• Comércio Exterior
• Consecana
• Cotações
• Indicador - Açúcar
• Indicador - Etanol
• Produção Brasileira
Serviços

• Biblioteca Virtual
• Bolsa de Empregos
• Bolsa de Negócios
• Calendário de Eventos
• Guia de Empresas
• Índice Pluviométrico
• Pesquisas UDOP
• Previsão do Tempo
• Usinas/Destilarias
Mapas

• Usinas/Destilarias
• Bacias Hidrográficas
UDOP - União dos Produtores de Bioenergia
Praça João Pessoa, 26 - Centro - 16.010-450 - Araçatuba/SP - tel/fax: +55 (18) 2103-0528

2012 - Todos os direitos reservados

POLÍTICAS DE PRIVACIDADE
Desenvolvimento:
/