UDOP - União Nacional da Bioenergia

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

FALTAM APENAS

DIAS

HORAS

MINUTOS

SEGUNDOS

PARA O EVENTO MAIS INOVADOR DO SETOR

EDITORIAS
Agência UDOP | Açúcar | Biodiesel | Cana-de-Açúcar | Combustíveis Fósseis | Diversas | Economia
Energia | Espaço Datagro | Etanol | Fórum de Articulistas | Opinião | TV UDOP | Últimas Notícias
Fórum de Articulistas Aumentar a letra    Diminuir a letra
A bioletricidade e os leilões de energia  

27/05/2019 - O primeiro leilão regulado de energia nova, promovido pelo governo federal, aconteceu em 2005 e, desde então, a fonte biomassa comercializou energia de 146 projetos em leilões de energia nova e de reserva, ajudando a viabilizar 7.658 MW. O montante representa 51% da potência instalada atualmente pela fonte no país (que é a quarta mais importante do país).

Desde 2005, os leilões de energia nova e de reserva contrataram um total de 418.707.111 MWh da fonte biomassa, em contratos de 15 anos a 25 anos. Esta geração é equivalente a mais de quatro vezes a produção anual de Itaipu, ainda a maior usina hidrelétrica em produção no mundo e responsável por 21% do consumo nacional de eletricidade no Brasil em 2018.

Nestes últimos 14 anos de ambiente regulado, a fonte biomassa teve 1.203 MW médios contratados em leilões de energia nova e de reserva, uma média anual de 86 MW médios. Contudo, no ano passado, os dois leilões de energia nova realizados contrataram apenas quatro projetos de biomassa, totalizando 26,9 MW médios - muito abaixo da média anual de contratação.

Em 2019, já temos o agendamento de novos leilões A-4 e A-6. A esperança é sempre que a biomassa consiga ter um desempenho, no mínimo, melhor que a média anual de contratação dos últimos 14 anos. Mas por que é importante estimular a contratação desta fonte para o Sistema Interligado Nacional (SIN)?

O modelo de contratação via leilões tem 14 anos e consideram quase que exclusivamente a produção de energia e seu preço, em detrimento dos demais atributos das diversas fontes de geração. Está na hora de aprimorá-lo e avaliar os reais custos e benefícios de cada fonte de geração, considerando a contribuição de seus respectivos atributos para o atendimento dos diversos objetivos do suprimento de energia no SIN.

Nesta linha, em outubro de 2018, o Instituto Escolhas apresentou estudo da consultoria PSR sobre o real valor e benefícios das diversas fontes de geração de energia, observando seus atributos. Segundo o documento, uma usina a bioeletricidade, localizada no Sudeste, é a renovável com melhor custo/benefício para os consumidores finais. O valor da energia da bioeletricidade no SE seria R$ 168/MWh, da usina hidrelétrica seria R$ 286/MWh, da eólica no NE de R$ 195/MWh e de R$ 244/MWh no Sul. A PCH no SE sairia a R$ 285/MWh, a fonte solar no NE a R$ 293/MWh e de R$ 328/MWh no SE.

O ano de 2018, como já visto acima, foi o terceiro pior ano de contratação de novos projetos nos leilões regulados promovidos pelo governo federal. Além de desarticular esta importante cadeia produtiva da economia nacional, os resultados do atual formato de contratação nos leilões regulados têm sido ruins para a biomassa e também para o consumidor final, se considerarmos os atributos que esta fonte fornece ao SIN.

Aproveitamos apenas 15% do potencial da bioeletricidade. Se houvesse o aproveitamento pleno da biomassa presente nos canaviais, a bioeletricidade teria potencial técnico para chegar a 146 mil GWh, quase sete vezes o volume ofertado em 2018, o que representaria atender mais de 30% do consumo de energia no SIN. Ou seja, há várias usinas Itaipu adormecidas ainda nos canaviais.

A louvável iniciativa de modernização do setor elétrico, por parte do Ministério de Minas e Energia, é muito bem-vinda no aspecto de procurar valorar os atributos de cada fonte de geração. Temos certeza que, ao fim deste processo, a bioeletricidade sairá mais competitiva. Porém, há iniciativas que podem ser implementadas já.

Não se esquecendo da tarefa de valoração dos atributos, como parte do critério de seleção de empreendimentos a contratar, espera-se que os próximos leilões regulados consigam evoluir para, no mínimo, a criação de um produto específico para a bioeletricidade nos Leilões A-6, separando-a de fontes não comparáveis, como carvão e gás natural. Ou mesmo em leilões regionais e específicos para esta fonte, idealmente dentro de uma política setorial de longo prazo para a bioeletricidade, com diretrizes claras e de continuidade, buscando garantir o pleno uso eficiente deste importante recurso renovável na matriz de energia do país.


*Texto originalmente publicado na Revista Brasil Energia em 24/05/19

Zilmar José de Souza
Gerente de bioeletricidade da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA).
Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, não representando,
necessariamente, a opinião e os valores defendidos pela UDOP.
Enviar por e-mail Imprimir
Clipping de Notícias UDOP
Inscreva-se e receba as novidades do setor.
    
Notícias Relacionadas
29/10/19 - Raízen Energia tem aprovação do Cade para compra de 81,5% da Cosan Biomassa
21/10/19 - Biomassa da cana vende mais energia que a fotovoltaica no A-6
14/10/19 - Bioeletricidade gera 2,5 vezes mais que carvão mineral, mas acumulado cai em relação a 2018
10/10/19 - Bioeletricidade gera 2,5 vezes mais que carvão mineral, mas acumulado cai em relação a 2018
13/08/19 - Biomassa da cana representa 62% de toda a cogeração feita no País
09/08/19 - Com etanol e açúcar dando prejuízo, cogeração salva as usinas em 2018/19
02/05/19 - Bioeletricidade na Região de Ribeirão Preto: potencial para suprir 1/2 das residências em SP
17/04/19 - Expansão da bioeletricidade pode reduzir emissões
27/03/19 - São Paulo: 44% da bioeletricidade em 2018
21/03/19 - SIAMIG apresenta projeto para expansão de bioeletricidade em torno de R$ 1,6 bilhão
Para enviar a notícia, basta preencher o formulário abaixo.
Todos os campos são de preenchimento obrigatório!
 
A bioletricidade e os leilões de energia
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Destinatário:
E-mail destinatário:
(separe mais de um e-mail por ,)
Comentário: